quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Acho que estamos amando mais


Oi, como você está? Eu vou bem, eu acho. Tudo anda meio estranho, mas eu vou levando. Sabe como são as coisas, quando algo melhora aqui outra piora ali. Ontem eu sentei no parque e pensei um pouco sobre a vida, sobre as pessoas. Existe tanto ódio no mundo não é mesmo? Mas eu tentei não me apegar a isso e pensei em coisas boas. Pode não parecer, mas acho que estamos amando mais. Eu sei, existem pessoas que ainda enxergam erro no amor, mas pense em quanto evoluímos com o passar do tempo, quantas guerras foram vencidas e preconceitos deixados de lado. Sei que você não acredita muito na humanidade e eu não te culpo, as vezes eu também fico meio desacreditado quando sou bombardeado com notícias ruins, mas eu ainda acredito nas coisas boas. Muitas vezes é difícil enxergar um pequeno ponto de luz na escuridão. Creio que hoje já somos muito mais que um ponto de luz na escuridão. Olhe ao seu redor, perceba quantas pessoas se levantam contra as injustiças do mundo. Olhe para você, veja o quanto se empenha para que tudo seja justo. Não acha que isso vale de algo? Eu tento ser o melhor possível para ver um mundo melhor no futuro e acho que você faz o mesmo. Gostaria que soubesse que eu acredito em você, acredito no seu potencial de fazer a fazer a mudança que quer ver no mundo e saiba que estarei sempre aqui para te ajudar a trazer mais cor ao mundo. Espero que ainda nos encontremos e possamos dividir bons momentos juntos. Espero que fique bem.
Com carinho

Um amigo

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Uma breve explanada sobre a representatividade feminina no mundo nerd


Como estamos no caminho para um mundo mais igualitário.
(Comecei a escrever este texto no dia em que saiu a notícia da nova Doctor, porém, eu não tenho o mínimo de disciplina e não terminei de escrevê-lo no mesmo dia ou semana ou mês né nom? Então venho agora tentando não estar muito atrasada no assunto e compartilhar um pouco da minha opinião)
Se você é iniciado no mundo nerd deve ter ouvido falar da mais última novidade: o novo Doctor é uma mulher. Isso mesmo, depois de mais de 50 anos de série e 12 encarnações finalmente uma Doctor. Eu fiquei muito feliz com a notícia, pois cada vez mais vejo que as mulheres estão tendo mais espaço dentro do mundo nerd. Sei que ainda tem muita coisa errada e para problematizar, mas esse texto é para comemorar a evolução que conseguimos em todos esses anos. Algumas coisas que muitas vezes sao vistas como pequenas , mas tem um significado enorme.
Dia desses me deparei com a notícia de que iríamos ter o primeiro filme, Uma Dobra no Tempo, a ser dirigido por uma mulher negra com orçamento de mais de 100 milhões. Pode passar batido, mas eu fiquei muito feliz quando vi que iria ter um filme assim, pensa em quantas meninas no futuro vão se inspirar nessa mulher e seguir a carreira de cineasta, por causa dela. Esse ano tivemos a surpresa boa Mulher Maravilha. Não só sendo o filme que destaca as mulheres, mas também vindo como salvador da DC nas telonas. Por trás das câmeras mulheres e na frente dela tendo mais visibilidades mulheres também, por que nao? No caso de Uma Dobra no Tempo ainda mais importante por trazer uma menina negra para frente das câmeras. Quantas meninas já não se viram desmotivadas a fazer coisas porque parecia que não existia alguém como elas fazendo aquilo, mas esses filmes mostram que elas podem sim explorar o espaço e ser super heroínas.
Uma outra notícia que também me deixou feliz ao ver foi uma sessão de perguntas e respostas de um jogo chamado League of Legends. Nele o funcionário da empresa dizia que não iria fazer personagens sensuais só por serem sensuais e só fariam se tivesse um contexto. Para quem é mais mente aberta pode parecer até uma coisa normal a se pensar, mas se tratando do mundo machista que é o mundo gamer isso é um avanço. Os jogos que temos mais jogado é League of Legends e Overwatch e os dois estão ficando de parabéns em questão de representatividade feminina. Overwatch tem personagens como Tracer, uma garota magricela e lesbica, Symmetra, uma jovem negra e autista, Zarya, uma halterofilista, Ana, uma velha soldado, Mei, uma possivel gordinha, Mercy, uma jovem dentro dos padrões. Elas nos mostram que existem sim diferentes tipos de mulheres e elas convivem no mesmo ambiente muito bem. No LOL ainda estamos vendo personagens como Ilaoi vindo por aí, mas já saímos do estereótipo de menina magrinha e de cabelos lisos. Espero mesmo que um dia possamos ver toda a pluralidade de corpos que vemos no nosso dia a dia nos jogos, assim teremos um mundo mais palpável e abrangente.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

E hoje foi o dia mais solitário



Foi um dia solitário hoje
Eu me peguei a todo momento olhando para a porta
Na esperança de você chegar
Pensando em todos os rostos que vi
Pensando em todos os lugares que já vi
É fácil ficar louco quando o amor está inalcançável

E eu gosto de pensar que logo estarei em seus braços
Mesmo que isso não seja verdade
Eu apenas sonho e respiro fundo para tentar me controlar
Enquanto as lágrimas recorrem pelo meu rosto
Pensando em tudo que já vivemos
Quero dizer que sinto tanto a sua falta

E hoje foi o dia mais solitário
E eu sinto que você está se apagando de minha memória
E isso é tão desesperador
Mas acho que vou sobreviver

terça-feira, 30 de maio de 2017

Delicadeza



delicadeza
ê/
substantivo feminino
1.
qualidade, atributo do que é delicado.
2.
constituição física ou material frágil, delgada, fina.
"a d. de uma taça de cristal"

Ah a fragilidade humana, seja física ou emocionalmente, se tem algo que o ser humano é, é frágil. Mas como lidamos com isso? Depende muito do nosso sexo pra inicio de conversa, se somos do sexo feminino isso é visto como uma qualidade, se formos do sexo masculino um defeito, li em algum lugar que “Delicadeza é um defeito maravilhoso, é gentileza refinada.” . No último ano eu lidei com pessoas delicadas e digo que é uma experiência diferente, é como conversar com um monge às vezes. Mas a convivência com elas também me trouxe algo: medo. Quando você compra um bonsai você não o trata como você trata o seu pinheiro, você tem todo um cuidado para com elas e isso também se adequa as pessoas. Mas nas últimas horas fui questionado até que ponto isso seria saudável, guardar uma pessoa num potinho para que ela não quebre a cara. Eu estaria disposta a guardar certas pessoas em um potinho e manter ela longe do máximo de mal possível. Estou errado em faze-lo? Talvez sim, mas esse é meu jeito. Eu me importo e quero que a minha taça de cristal se mantenha intacta. Claro que todo ser humano não é um objeto e assim como alguém que toca violão os dedos devem calejar, a vida é um belo violão a ser tocado, mesmo que você não leve jeito nenhum com violões.Mas quando vc cuida de alguém com dedos delicados que está disposto a aprender violão, como fazer? Seria o cuidado com essa pessoa realmente se importar ou seria isso pura preservação de algo que no fundo não lhe ajuda? Se ela não calejar os dedos nunca poderá tocar, ou seja, se sempre for delicada, talvez nunca tenha a oportunidade de viver plenamente. Será que evitar a dor é a única maneira de cuidar de alguém? Não poderíamos aprender uma maneira nova de nós importar? Eu acho que tudo na minha vida acaba em As Vantagens de Ser Invisível, mas podemos usar aqui o exemplo de Charlie, um garoto delicado, que vivencia muitas coisas difíceis, mas que com a ajuda de amigos consegue ainda continuar delicado e aprender a lidar com toda essa coisa de tocar violões e vida.
Creio que no fim é como uma fogueira, devemos manter uma distância em que ela nos esquenta, mas que não nos queime.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Insetos na luz



Sentido da vida. Desde o início dos tempos existe alguém atrás dele. Curiosidade é o que nos move, não é mesmo? Não saber o que há lá fora, além da nossa compreensão nos deixa tão frustrados. Mas por que ficamos tão frustrados? A verdade? Nos somos como insetos correndo para a luz. Nascemos com a vontade de buscar respostas, imaginamos que somos importantes, mas no fim somos como insetos correndo eternamente para um farol inalcançável. Você vai viver a vida, sofre, lutar para no fim tudo ser em vão. As coisas nascem, crescem e morrem. Assim é conosco e com as estrelas e o universo. Você vai apenas morrer e é isso. Mas não conseguimos aceitar isso, então buscamos desesperadamente por um sentido. Nos apegamos a verdades quebradas e as defendemos com unhas e dentes, por que a ideia de um motivo não existir e nossa existência ser inútil é insuportável demais para meros insetos que somos.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Bonito/Feio?


Estes dias, mais especificamente no dia 11 de maio de 2017 de acordo com o youtube, eu estava vendo um video da minha amada Jout Jout e me deparei com essa magnífica frase.

AS PESSOAS NÃO ESTÃO AÍ PRA AGRADAR SEU SENSO ESTÉTICO

Quantas vezes você já se olhou no espelho e viu algo que não lhe agradava? Não dá para contar certo? Acho que não existe uma pessoa no mundo que nunca passou por essa situação (é claro que eu não posso falar por todas as pessoas no mundo, mas uma grande maioria das pessoas que eu tenho conhecimento passa por isso). Este pode ser só mais um texto clichê da internet falando sobre como você deve se aceitar, mas talvez você deva parar para lê-lo.
Mas vamos falar mais especificamente dessa coisa de não estar aí para agradar o senso estético de outras pessoas. Tem um livro que eu amo que se chama “As Vantagens de Ser Invisível” e nele tem um garoto chamado Charlie, que é o protagonista. Charlie em algum momento do livro se vê em uma situação que ele está vendo revistas e nas capas dessas revistas “e toda vez que tinha uma mulher na capa, ela estava mostrando o colo dos seios.” ele fica pensando sobre aquilo, sobre o porque de todas aquelas mulheres posarem daquele jeito, se elas estariam felizes por estarem em capas de revistas, se os namorados delas estariam felizes por elas, se adolescentes se masturbariam vendo aquelas capas, o que elas pensariam se soubessem disso. Você já havia pensado nisso? Acho que é muito provável que não. Mas uma das possíveis respostas para o questionamento de Charlie do por que delas posarem desse jeito é que elas querem agradar o senso estético de outras pessoas. Isso passa despercebido por nós quase sempre e nós olhamos as capas de revistas e apenas pensamos que são mulheres fúteis ou algo do tipo, mas no fundo elas estão apenas buscando algo que todos nós estamos, a aceitação.
Mas Nami, quando nós não nos adequamos ao senso estético alheio muitas vezes podemos perder oportunidade como vagas de empregos por exemplo. Bem, mas acho que deveria haver um grande movimento chamado: Foda-se ao senso estético. Obviamente que não de um dia para o outro que você vai mudar, mas pense que você pode mudar o jeito que se veste, pintar o cabelo, fazer cirurgias e então estar mais ou menos como te querem, mas no fundo sempre vai haver aquele imperfeição que não muda. Eu poderia dizer “ah, mas você não vai ser mais você depois de tantos procedimentos estéticos”, mas acho que seria uma injustiça com as pessoas que curtem esse tipo de coisa. O que eu quero dizer é que não vai ter como você agradar o bonito/feio de todo mundo. Veja o vídeo abaixo e você vai entender melhor:



Se você ficou com preguiça de assistir o vídeo, basicamente ela diz que cada um tem seu bonito e feio, também diz uma frase que é como: se você não acha um bicho bonito é porque você não soube reconhecer a beleza dele. Isso faz todo sentido se você for parar para pensar. Por que tem pessoas que acham gatos tão fofos e pessoas que acham bichos asquerosos? Por que tem pessoas que acham preto uma cor super daora, amo usar e outros que não gostam de chegar nem perto, que coisa mais triste? A beleza sempre vai ser subjetiva e é assim que você também vai ser. Quando você estuda ciências humanas você vai começar a estudar que arte é subjetiva, muitas vezes não agrada de cara ou a muitas pessoas, mas todas têm o seu valor. Bem, assim também é com os seres humanos. Acredito que cada ser humano é único e especial e assim como as obras de arte subjetivos em sua beleza. Então essa coisa de você ser universalmente bonito ou feio realmente não se aplica aqui.

Em uma série do Youtube do canal VSAUCE se faz uma experiência em que pessoas devem escolher, somente pela a aparência, com quem eles desejam trabalhar. Após essa escolher o intermediador trocar os papéis e sabe o que acontece? Mesmo em casos onde há duas vagas e algumas pessoas optem por trabalhar com uma delas por questão de senso estético ao trocarmos os papéis sem que a pessoa note ela vai achar uma justificativa para a pessoa que não foi escolhida porque no fundo não faz diferença contanto que se acredite que é a pessoa certa. Viu? No fundo nem é tão importante assim a sua aparência física.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Precisamos falar sobre: Please Like Me



Olá pessoas do mundo
Eu decidi que é assim que eu vou dar minhas saudações a partir de agora, porque é um jeito divertido de saudar. Espero que gostem. Acho que eu demoro um tanto quanto para fazer minhas postagens e elas nem estão saindo com tanta qualidade quanto eu queria, mas eu juro que estou tentando melhorar, mas vamos ao post.
Hoje eu vim falar de uma das minhas series favoritas, acho que num rank ela ficaria em segundo lugar logo depois de Doctor Who. Please Like Me é uma série em que o protagonista é Josh, que descobre (de uma maneira inusitada) que é gay e como ele lida com a sua vida a partir dai. A serie se aprofunda em cada personagem tratando de temas do nosso dia a dia, como nos sentimos com relação a nós mesmo, nossos preconceitos, sonhos e outras questões que permeam nossos pensamentos. É a vida normal, de um cara normal, com amigos normais, que fazem coisas normais e isso fica incrível na tela.



Josh Thomas é ator/escritor/roteirista/mil e uma utilidades da série. Ele tem todo um jeito bem peculiar de fazer as coisas é isso é muito bom. A série é baseada em fatos que aconteceram em sua vida. A série é australiana e traz um humor um pouco diferente do que estamos acostumados com series britânicas e americanas, então vale a pena dar uma conferida pela diversidade. Antes de assisti-la eu nunca tinha assistido nada australiano (não que eu me lembre) e gostei bastante de ver como as coisas funcionam por lá. 
Acho que o maior mérito da série e trata os temas de homossexualidade, depressão e outras doenças mentais de uma forma tão aberta e singela. Quem não passa por nenhuma dessas coisas consegue entender o que se passa com essas pessoas e quem passa por isso se identifica e sente que não está sozinho neste mundo. Eu sou uma dessas pessoas que se identificou com os "problemas" tratados e sempre fico feliz quando vejo um episódio em que os personagens, cada um com sua personalidade e questões próprias, é tratado de um modo profundo.



Os personagens são todos uns amores. Josh conseguiu deixar cada um bem real (o que não deve ter sido tão difícil já que são baseados em pessoas que ele conhece neh), cada um tem sua relevância na vida de Josh e você ama todos eles e quer eles de amigos também. Agora que parei pra pensar tem muitos personagens e eu gostaria de falar de cada um deles em particular, mas ai essa postagem ia sair gigantesca, então assistam a série logo e conheçam e se apaixonem por todos eles também.



Ah a abertura é sensacional. Não tenho outra palavra pra ela. Ao som de I'll Be Fine de Clairy Browne, cada abertura é diferente e animada e fofa e maravilhosa. Só ouçam essa musica e sintam o clima. Thanks.


Pra vocês ficarem mais felizes, a série chegou na Netflix a pouco tempo. Então vejam esse trailer e corram para assistir essa delicia.


     Ah só um post que pode complementar o que eu disse: 10 MOTIVOS PARA ASSISTIR PLEASE LIKE ME

Com amor,
Nami